24 de set de 2015

A loja do meu pai


A loja do meu pai... pensei em começar a redação, assim, usando parte do título como início de frase, exatamente como uma redação escolar.
Não tem como evitar o ar de conto escolar, como aqueles sobre “a volta às aulas”, ou sobre “minhas férias”, ainda mais quando se pretende relatar fatos, pouco comuns, nos tempos atuais.
Fica um inevitável clima de “Éra uma vez...”
Contudo, a história que relato, a partir de agora, não é apenas um “conto de fadas”. É uma história real, como devem existir outras tantas, de trabalhadores no comercio, de gente do campo ou qualquer outra atividade.
Esta, pode ser considerado uma pequena história de um pequeno negócio, de uma família qualquer. Contudo, não é assim que a observo do ângulo que estou.
Meu pai tem uma loja, um pequeno comércio de variedades, no Mercado Municipal de Araraquara, sua, loja já está lá desde 1968.
Não é a primeira loja que ele abre, nem a última. É a loja entorno da qual, um mundo girou.
Lembro do olhar de menino curioso, devorando incansavelmente as prateleiras e vitrines, cintilando, a cada novidade descoberta e haviam muitas. Quase todo dia, algo de novo estava a venda.
Canivetes diferentes, calçados de trabalho, botas, cintos, uma infinidade de coisas que nem dá para relacionar.
Ora era um pente importado, ora uma caneta com tinta perfumada. Eletrônicos cheios de novidade e botões, como os rádios de 12 faixas.
Matéria prima para mil brincadeiras, engenhocas para sonhos de espião.
Produtos para atender as necessidades básicas dos clientes, não podiam faltar.
Lâminas de barbear e palhas de milho para cigarros, vendidas uma a uma, camisas, luvas de raspa de couro, congas e chuteiras, afinal, futebol é tão importante para nós, quanto o ar e o alimento.
A loja, nunca gostou de arrojos e rompantes. O pouco se mudou, foi mais por necessidade dos tempos do que por desejo. Depende-se de sua vontade, continuava com seu balcão em curva, entalhado em madeira.
Com certeza é uma loja mineira. Fica ali, no cantinho do Mercadão, de cócoras, dentro do seu próprio ritmo.
Ao mesmo tempo, como todo bom mineiro, está atenta e sempre prestativa. Braços abertos para os clientes!
A loja já teve jovens e senhores, como funcionários. Alguns, entraram crianças e saíram adultos, outros, continuam por gerações, na loja. No fim das contas, todos, de uma forma ou de outra, continuam, por lá, ou melhor dizendo, carregam parte da loja, onde quer que estejam.
Com ela, não se aprende somente o ofício de comerciar.
Aprende-se muito mais do que atender, negociar, fazer contas, dar trocos e embrulhar as compras. O que já seriam grandes lições em um mundo com tantas lojas nem ai para a instrução de seus vendedores.
São lições para a vida toda!
Aprende-se a entender a outra pessoa. Reconhecer gostos, desejos diferentes.
Respeitar as pessoas pelo que são e não pelo que aparentam ser, ou pelo dinheiro que tem na carteira. Afinal, são inúmeras as vezes em que os clientes de menores posses, se mostraram os mais fiéis.
Na loja, ninguém tem idade. Grupos não são formados por etnias, cores ou religião. Nela, todos são iguais.
É fácil ver uma rodinha de clientes, concorrentes, amigos, funcionários e patrões, conversando alegremente sobre um determinado assunto.
Gargalhadas até podem ser ouvidas nestes momentos, mas, não da loja. A loja é mineira. Seu sorriso é contido, quase um deboche.
Com ela, aprendermos a “ser gente”!
Eu e meus irmãos já trabalhamos lá, cada um ao seu modo, com suas características e seus sonhos pessoais.
Nem todos continuam com ela, mas, todos não se afastaram dela.
Até minha mãe, que embora negue e diga que não gosta da loja (deve ser uma pitada de ciúmes), já foi lá trabalhar nela, nas horas de maior sufoco.
Minhas filhas, com ela trabalham
Não foi uma vida fácil, esta da loja. Não! Não foi nada fácil, para dizer a verdade.
A contragosto já trocou de nome e trocou de cor. Já se expandiu e se retraiu.
Viu passar, na frente de sua porta, épocas de ditadura, hiperinflação, planos econômicos dos mais variados possíveis. Tempos de rédeas curtas, momentos de crescimento econômico e até “milagres eleitoreiros”.
Políticas e politicagens, viu de tudo.
De candidatos distribuindo beijinhos nas crianças, pelos corredores do Mercadão, até, ideias de transformar o lugar em restaurante público.
Viu outras lojas, vizinhas, nascerem. Algumas prosperarem outras, perecerem.
Lojas que escolheram o caminho errado, mais até, que escolheram a vocação errada e acabaram dando com os burros nágua. Porque ficaram com o nariz em pé e esqueceram quem era seu público.
Com o canto dos olhos viu, “homens da cobra” e vendedores do “baú da felicidade”, apresentarem seus produtos; malucos e bêbados, cantarolarem suas músicas, prosearem com Deus e escalarem seleções de futebol, de tempos idos.
Viu “de ladinho”, uma rodoviária chegar, trazendo milhares de novos clientes, depois viu ela partir, trazendo o vazio para os corredores do Mercadão.
Esteve ali, firme e forte (pelo menos era o que os clientes pensavam), dando crédito e de portas abertas, nos tempos de vacas magras.
Falências de empresas, desemprego na cidade. Recessão econômica, Arroxo salarial, Fim da Usina Tamoio, Crise da laranja e da cana de açúcar, de tudo já viu e sentiu na carne.
O Proálcool, já foi seu amigo e seu inimigo.
Leis malucas e populistas de tabelas de preços, congelamentos, tablitas, assombraram nas noites de sono da loja, que insistiam em entrar por sua única janela, assim com os gatunos.
Modismos chegaram, foram adotados por ela, que pendurava por todas suas prateleiras, “chaveiros do Greg”, lenços de “Porcina” e botons dos “Menudos”.
Já usou chapéu panamá, depois, chapéu de palha, os “antiquados bonés” com corte brasileiro, usou até “cata ovo” e agora usa os “dáhoramano” bonés de design gringo, mesmo assim, até hoje, no meio do ano, usa seu chapéu de caipirinha e a cada 4 anos, afirma com todas as 4 cores, sua paixão nacional.
Seu sorriso já foi negro, de altos dentes de rolos de “fumo”, Arapiracas, Jorginhos, Amarelinhos, Goianinhos...
Depois colocou na testa, “bandana” de maços de cigarros industrializados.
Leis mudaram, tempos mudaram e os cigarros sumiram, o “fumo” aos poucos está se dissipando, como a própria fumaça que produziam.
Aqui, eu devia levantar bandeira, contra o cigarro industrializado. Em defesa do fumo de corda. Pois, o cigarro industrializado é o verdadeiro vilão, que o poder público não quer enfrentar, pois gera impostos, mas, vamos deixar esta questão para uma outra história, afinal, aqui a grande estrela é a loja.
Hoje, mesmo com todos os anos acumulados, não podemos chama-la de velha senhora.
É sim, uma grande dama, cheia de atrativos e segredos.