7 de jan de 2017

Montando o presépio


Desde pequeno, tenho por hábito montar o presépio.
Enquanto outras pessoas, se preocupavam em comprar mudas de pinheiro, para ornamentá-las com algodão e bolas de vidro, bem delicadas e brilhantes, ou correndo atrás de comprar presentes e fazer ceias com castanhas eu, me preocupava em recriar o cenário do nascimento de Jesus.
Cada ano, inovava, um ano construindo uma gruta de papel machê, no outro, um celeiro de palitos de sorvete. Até encomendei uma vez, pelos correios um kit de mini tijolos, que não chegou a tempo e acabei usando só no ano seguinte.
Alguns anos, tinha rio com água corrente, alimentado ou por mangueira (meu maior erro) ou por bombas dágua de aquário, com cascatas que caiam da mesa, para o balde no chão. Espelhos como lago. Café como estrada, serragem tingida de verde como grama. Areia por toda cena. Já usei de tudo. Até retalhos de garrafa PET verde para as gramas. Areias coloridas e tudo mais que se possa imaginar.
Em um certo ano, até inclui um avião sobrevoando a cena, e um trem passando ao lado, como forma de dizer que o nascimento do menino Jesus, é um fato presente em nossas vidas.
As peças o presépio são os únicos componentes que nunca mudaram.
Ganhei a coleção de personagens, ainda criança. Perteceram a um tio, depois a uma tia em suas infâncias.
Fiz várias restaurações nas peças, seja por perderem um pouco da cor ao longo dos anos, seja por quebrarem em acidentes (como no ano que usei mangueira de água para alimentar o rio e alguém achou a outra ponta e resolveu abrir, mais, o registro. Provocando uma torrente de areia e peças, por todo o quarto.
Nada me impediu de manter o presépio montado. Nem acidentes ou falta de espaço. Montava onde fosse possível. Até mesmo dentro do barzinho (depois de retirar as bebidas) que ficava no meio do meu sofá, quando as minhas filhas eram pequenas.
Depois dei de presente para minhas filhas, para que continuassem a tradição.
Elas montaram alguns anos até que uma determinada pessoa (que pensa que não sei quem é) quebrou o pescoço e braços dos personagens, como forma de intimidação (sim, o lado do mal, não gosta nada nada de presépios).
Adiantou nada!
Minuciosa restauração e, este ano, estava lá montado na casa da minha filha mais velha.
Lembrando a todos, que lá estiveram estes dias, qual o verdadeiro sentido do Natal.
Que Jesus nasceu para nos salvar!

A foto acima é deste ano.
Abaixo, estão fotos de outros anos e de algumas restaurações.










Natal de 2011