8 de jan de 2017

Intolerância a lactose

Intolerância a lactose



Assim definem os sites e blogs que abordam o tema:
"A intolerância à lactose é a doença bem comum, provocada pela incapacidade de digerir lactose, um açúcar encontrado no leite e nos laticínios. A falta da lactase, enzima que digere a lactose, leva ao aparecimento de sintomas gastrointestinais sempre que um produto à base de leite é consumido.
A intolerância à lactose não costuma ser uma doença grave, mas os seus sintomas podem ser bastante incômodos.

Por outro lado, observando as estatísticas, chego a uma outra conclusão:
70% entre os ocidentais (inclusive brasileiros) e 99% entre os orientais (japoneses, por exemplo) são intolerantes a lactose.
Biologicamente, desenvolvemos a enzima lactase somente na fase de amamentação como uma forma de quebrar a lactose presente no leite materno.
Entretanto, por séculos, adquirimos o hábito de ingerirmos leite, mesmo depois de adultos.
Hoje, acrescentamos leite em quase todos os pratos, sendo que 83% dos alimentos ultra processados (pronto para consumo) possuem lactose em sua composição.

Com este hábito alimentar, forçamos nosso organismo a produzir excessivamente a lactase. Bom para quem consegue produzi-la, nessa "forçada da barra". Ruim para os bebês que não conseguem produzir lactase, péssimo para o adulto que nunca produziu a lactase ou que depois de alguns anos passou a não produzir mais a lactase.

E porque até bem pouco tempo atrás nada era ventilado sobre essa tal "doença"?
Simples!
Todo uma cadeia de negócios esta embasada na alimentação a base de leite.
Gigantescas industrias do setor alimentício, como por exemplo a Nestlê e muitas outras e, ainda, a industria farmacêutica, perderiam muito com uma mudança de comportamento alimentar tão drástica, como seria o abandono do uso do leite na dieta alimentar.
Remédios e mais remédios são vendidos para tratar desconforto, flatulências, diarreias e até a industria de papel higiênico se beneficia do nosso habito alimentar de consumir leite.

Eu, particularmente, só fui conhecer esta questão da lactase x lactose, depois de adulto já aos 40 anos.
Até então, nunca tinha sofrido qualquer transtorno com o consumo de leite.
Também não entendia, o motivo de minha filha mais velha, no final dos anos 80, ter cólicas terríveis que a faziam berrar e nada, nenhum remédio resolvia ou diminuía seu sofrimento.
Médicos chegaram a "absurda ideia" de abri-lá ao meio, para apalpar órgãos, uma vez que, nenhum exame indicasse "doenças" conhecidas.

Depois dos 40 anos é que comecei a ter algum desconforto, porém, como não havia literatura a respeito dos efeitos da lactose não digerida, eu não achava a causa do desconforto.
As primeira limitações foram a redução do tempo que eu podia permanecer em um shopping, praticando o footing.
Não conseguia associar o desconforto, as dores e a incontinência ao fato de ter comido uma massa no almoço ou um doce no café, que continham leite.

Descobri, portanto, antes do nome da minha limitação "intolerância a lactose" os intolerantes aos intolerantes a lactose.
Primeiro foram as brigs com a esposa na época que não entendia minha necessidade de ir embora, mais cedo do shopping.
Claro que eu, por ser extremamente reservado, não me sentia confortável de ir para o W.C. público e ficar lá sentado umas 4 horas, até o corpo se normalizar.
Então era fundamental que eu pudesse retornar para casa.

O tempo foi passando... eu ainda não tinha tomado consciência da limitação que estava se agravando.
Achei, primeiro que era uma fatalidade. Um acidente. Um prato mau preparado.
Comecei a evitar pratos diferentes e alimentos manipulados por pessoas desconhecidas.
Neste momento da minha vida, me tornei o Sr. Chato e insociável aos olhos dos outros.

A coisa ficou pior quando após eu almoçar no refeitório da empresa onde trabalhava e me empanturrar de frango com creme de milho (um dos pratos recorrentes de lá), passava a sentir desconforto tão grande e dores tão fortes que eu não conseguia trabalhar direito.
Para pior a situação, o W.C. da empresa era próximo demais das salas de trabalho que tinham somente divisórias e seria notado por todos, quando estivesse lá dentro sofrendo.
Então, eu constrangido, comecei a sair depois do almoço para visitas e corria até minha casa para me aliviar, sofrer um pouco e esperar a normalização, quando então voltava ao trabalho...
resultado óbvio: Ganhei a demissão por "não vestir a camisa", "não ser fiel" a "empresa e sair para fazer outras coisas". Achavam que era outro emprego.



Minha autonomia ficou tão limitada, pois, a esta época, qualquer coisa que eu comesse ou tomasse, me deixava ruim. que tive a "genial" ideia de desenvolver um trabalho "home office" que me permitisse trabalhar, entre as crises de cólicas e as idas ao sanitário.

Comecei as pesquisas sobre os sintomas, sobre as situação e comecei a isolar os componentes dos alimentos.
Um a um!
Longa e extenuante fase de tentativa e erros.
Como eu poderia saber que o componente principal da nossa dieta era a causa?
Então, obviamente o leite, ficou para o final da fila de itens as serem excluídos.

Longa e minuciosa observação e experimentação e, um belo dia, o leite foi isolado, e tudo voltou ao normal!

Passei então a pesquisar possíveis doenças relacionadas ao consumo de leite.
Descobri, então, um ou dois blogs de pessoas que falavam da intolerância a lactose.
Colecionei informações sobre a Lactase, seu processo clássico de extração dos filhotes de mamíferos, para comercialização. Do alto custo deste medicamento e até fontes alternativas de lactase.
Um dia, tropecei na patente da pesquisa que produzia lactase a partir do próprio leite.




Acompanhei o lançamento no Brasil deste leite, que passou a ser chamado de "Zero Lactose".
Fiz novas experimentações com esses leites e cheguei a uma importante conclusão.
Como, na verdade, nestes leites eles estão carregados de "lactase" como processo de quebra da lactose, pelo menos no meu caso, que tenho uma intolerância moderada, adotar o consumo de um copo de leite "zero lactose" junto com cada alimento que contem leite, é suficiente para que a lactase contida no leite especial, quebre a lactose do outro alimento.

A lactase em sachê ainda era rara de achar e somente importada.

Encontrada a solução, faltava resolver o problema de transporte de dose desse leite que ainda era raro de achar nos supermercado e custava caro.
Comprei, então, um cantil de wisk de aço inox, cada vez que ia a um jantar na casa de um amigo, um restaurante, um passeio, levava um pouco de leite no cantil.
Hahah! Passei, então, a ser considerado um alcoólatra, por quem me via bebendo ou carregando o cantil na bolsa.



Hoje, tenho uma vida relativamente normal, com boa autonomia, uma vez que, sei que devo me afastar do leite, seus derivados e dos alimentos que possuem leite em sua composição.
Não é fácil, apesar de parecer, pois, o leite está em cada alimento menos esperado. Até na barra de proteína utilizada em competições de longa distância é uma barra de "leite".
Além disso as pessoas que vendem os alimentos, que trabalham no atendimento, não possuem conhecimento sobre a questão (semelhante acontece com quem é vegetariano), quando pergunto se tem um alimento sem leite, as pessoas,me oferecem produtos com queijo, produtos com requeijão e etc. etc, etc.
Raros são os lugares que os ingredientes estão devidamente divulgados, nos cardápios.

Uso também os sachês de lactase em pó, que servem para ter uma alimentação normal. Que custam uma média de R$ 1,30, cada sachê. A dose "infantil" no meu caso é suficiente para digerir alguns pedaços de pizza, por exemplo.



Três dias atrás, tomei um copo de leite Zero lactase, junto com massar e doces e não resolveu.
Foi então que li o rótulo e percebi que agora temos dois tipos de leites "Zero Lactose" no mercado.
Os que possuem lactase produzida a partir do leite comum e portanto é um dos componentes especificados no rotulo e os que possuem Galactose em sua composição.
Este último tipo, embora sirva para ser ingerido no lugar do leite comum, não trás "carga extra de lactase" portanto não servem para digerir a lactose contida nos outros alimentos.

Leite com Galactose


Então, se você tiver intolerância a lactose (não alergia), poderá usar os leites "zero lactose" em cuja composição esteja indicada a presença de lactase, como auxiliar na digestão dos outros alimentos e bebidas que contenham lactose.


Quanto a tal doença?
Pare de pensar que é o doente!
Como nós os tachados "intolerantes a lactose" podemos ser os doentes, se apenas 30% dos ocidentais e 1% dos orientais não apresentam dificuldade de digerir a lactose?
Somos os normais, vivendo em uma civilização que está mais interessada em criar demandas por produtos que podem facilmente comercializar, do que no bem estar das pessoas.
Fico imaginando quantas pessoas, cresceram achando normal tomar leite no café da manhã e passar horas lendo jornal no banheiro, até a dor passar ou, ter que correr para o banheiro depois de um almoço de negócios.