19 de ago de 2013

Mundo Real x Mundo Imaginário 5 - Hot Pocket Extreme Cheddar


Sexta feira, tarde da noite, bate aquela fominha!
Um pulo no supermercado e compro o Hot Pocket Extreme Cheddar, já que o normalzinho não deveria matar a fome e a embalagem deste EXTREME faz pensar que este sim, é matador.

Chegando em casa é aquele sofrimento para ler as instruções, pois, as letras são minúsculas (devem imaginar que só os jovens compram esta por...).
A instrução diz, programe o micro-ondas para o tempo entre 1 minuto e 10 segundos e 1 minuto e 20 segundos.
Tempo programado em 1 minuto e 15 segundos (uma vã tentativa de acertar o tempo).
O microondas apita. Retiro com cuidado... embalagem fervendo, lanche com bordas bem quentes e no centro, um gelo! (caldo & freddo, no mesmo lanche?)

Ops!!!!
Cadê o lanche?


Isso é um EXTREME? Cadê todo aquele glamour representado na imagem da embalagem?

Só então me lembro que EXTREME não significa, somente,  excesso, exagero, no sentido de enorme...
Pode ser exagero de pequeno ou, último a ser comido (aquela promessa de nunca mais comprar esta bomba, novamente).

Para piorar, quando fui procurar o lanche na internet para fazer esta matéria, descobri que a versão EXTREME CHEDDAR, sequer consta do catálogo de produtos Sadia.

Acho que comi um lanche pirata!
 


8 de ago de 2013

Seu nome e telefone consta no cadastro


Escritórios de cobrança são pródigos em criar em inventar formas de desobedecer regras!

Os "Gênios" criadores deste setor, ficam matutando, matutando até encontrarem novas formas de burlar regras, dar a volta em leis, ludribiar a legislação...
Alguém em algum lugar comentou: - Ouvi falar que dá para achar as pessoas nas redes sociais!
Outro deve ter apoiado: Sim, achei fulano no "feicebuque"!
Ai, já viu!!!! Três dias depois, virou regra para todos os operadores dos telemarketing da empresa e em uma semana já tinha virado regra em todo escritório de cobrança, no Brasil.

"Procure pelo nome do devedor na internet", anote todos os nomes que aparecerem juntos e ligue para todos passando que ele precisa ligar no "ZEROOITOCENTOS para tratar de assunto do interesse dele".

Outro dia recebi uma ligação destas, no meu celular:
Trim! Trimn! Trim!
Atendo: Márcio, bom dia!
Operadora do telemarketing: Fulano!
Eu: Com quem quer falar?
Operadora: Com Fulano!
Eu: Aqui é o Márcio!
Operadora: O Senhor não conhece o Fulano?
Eu: Fulano? Não? aqui é Márcio
Operadora: Com vóz insinuando que estou mentindo, pergunta "Senhor não conhece, mesmo, o Fulano de Tal Eiras?"
Eu: Há! Fulano de Tal Eiras eu conheço, porque?
Operadora: O Senhor pode anotar um recadinho para ele? (note que ela fez uma pergunta)
Eu: EU conheço, mas não moro nem mesmo na mesma cidade que ela e não sei quando vou vê-la novamente.
Operadora: Há! Mas é do ZEROOITOCENTOS!
Eu: Após sacar que ela não vai desligar enquanto eu não falar que vou anotar o recadinho. "Ok! Passe o recadinho."
Operadora: Pede para ele ligar para o ZEROOITOCENTOS QUASQUASQUAS sobre assunto do BLOMPBLOMP.
Eu: Ok! Tá anotado, mas... deixa te fazer uma pergunta? Onde você achou meu telefone e meu nome para ligar para mim?
Operadora: Hã! Hééé, há! Está aqui no contrato!
Eu: Tenho certeza que esta pessoa não daria meu telefone e meu nome no contrato. Até porque moro muito longe dela!
Operadora: Senhor eu não sei como, mas está aqui no cadastro.
Eu: Sei! Você pesquisou na internet, ok? Achou meu nome e telefone e mandou ver na ligação!?
Operadora: Senhor eu só sei que está aqui no cadastro.
Eu: Pode deixar que vou dar um jeito nisso.

E dei!
Estou aqui, apresentando esta maravilhosa forma de cobrar as pessoas.
E registrando a ideia besta de encontrar as pessoas erradas e achar que esta fazendo o certo.

Ligar para alguém para passar um recadinho para outra pessoa (citando o assunto), só porque ela tem o mesmo sobrenome que o devedor, além de ser muita cara de pau é ilegal!


Em tempo: Lembro de quando gerenciei escritórios de cobrança e tinha uma preocupação tão grande em não constranger os clientes (viu que nem escrevi devedores?) que até cuidado com a possibilidade de serem homônimos, tinhamos.
Hoje se o nome é levemente semelhante, já estão mandando bala!

Atualização:
Quando receber um SMS como este abaixo e não entender do que se trata, saiba que é um SMS de cobrança enviado pelo mesmo critério do texto acima, pegaram o nome semelhante na internet e mandaram bala no SMS para o telefone desta pessoa que, pode ser parente ou não. Mesmo assim, é incorreto enviar cobrança para parentes.


Prova da cobrança indevida efetuada pelo Banco Safra, contra uma pessoa que não figura no contrato.


Quer que embrulhe para presente?

Quer que embrulhe para presente?

Quantas vezes você já ouviu alguém fazer esta pergunta enquanto estava pagando, no caixa, os produtos adquiridos?

Você, enquanto consumidor, fica todo contente que vai ter um trabalho a menos e responde. Sim! Embrulhe este e este pra fulano e este para sicrano.


O balconista, pega os produtos, enrola no papel de seda com a logomarca da empresa, cola uma etiqueta da logomarca da empresa e enfia na sacola de papel com a logomarca da empresa, fecha com um outro selo com a logomarca da empresa e entrega para você com um sorriso no rosto, como se tivesse feito a coisa mais espetacular do mundo!



Em outras lojas o balconista faz um embrulho simples, com um papel de cor berrante repleto de logomarca da empresa ou, pior, enfia uma folha deste papel na sacola plástica e diz para o cliente, ai está o papel para presente, para você embrulhar na sua casa. É que aqui nós não fazemos embrulhos!

O que que é isso minha gente?
O mundo está de pernas para o ar!
A inversão de valores é total!

Embrulhar para presente deveria ser, como era no passado, um benefício para o cliente, não uma oportunidade de transformar o cliente em um "outdoor" ambulante.

Lembro, quando jovem, de um tio meu, ter feito até curso de "como embalar para presente" no SENAC, onde ensinavam dobraduras para deixar o embrulho bonito, técnicas de passar fitilhos e criar cachos, como fazer laços e flores com os fitilhos, tudo para que o embrulho ficasse, realmente, com cara de presente.

Houve um tempo em que até o embrulho de papel pardo com barbante, tinha seu glamour, pois era feito com muito esmero.

Todo comerciante já sabia que este custo adicional, seria compensado posteriormente, quando o cliente, feliz, retornasse para novas compras.

Alguns podem dizer que as margens de lucro estão menores devido a concorrência, outros dirão que o ritimo frenético impede de dar atenção para o cliente e seria impossível levar 10 minutos fazendo um embrulho, mas, nada justifica este desfavor que as lojas prestam para os clientes.

Para completar o balconista ainda pega a sacola, e vai escoltando o cliente até a porta (para garantir que ele não vai enfiar outro produto dentro) e só na porta entrega a sacola para o cliente.

Depois que chega em casa, o cliente, vai ter que procurar um papel melhor, e refazer o embrulho para presente.
Só entregam o presente dentro destes embrulhos "outdoors" aquelas que entregariam o presente até mesmo sem papel.

Afirmo que nada, justifica a empresa, inverter o papel e colocar seu interesse em divulgar sua marca, acima do interesse em servir bem o cliente e dar a ele o benefício de ter o presente embrulhado, de verdade.

Portanto, você que está ai tentando descobrir o que pode fazer para diferenciar seu negócio dos concorrentes e tentando cativar um público, lembre-se que um pouco de verdadeira atenção e carinho com seu cliente pode ser o grande diferencial que procura.

Boas vendas!

Atualização de 01/01/2014
 Atitudes corretas



Veja um bom exemplo de "embrulho" para presente.
Nas fotos vemos um "boné" dentro de um saco vermelho metálico, sem logotipo da loja e com um singelo adesivo prendendo a fita do laço.
Posteriormente o saco de presente foi colocado dentro de uma sacola plástica (esta sim, com a logo da empresa).
Parabéns JR Calçados e Chapéus pelo carinho com seus clientes.