25 de mai de 2011

Meu primeiro par de óculos



Meu primeiro par de óculos tive aos 7 anos.
Era emprestado, da loja do meu pai.
Peguei-o apenas para ir na escola, fingir ser "intelectual"!
Embora fosse "de grau", este não tinha grau.
Acordei bem cedo, como fazia naquela época, me preparei para ir para a escola.
Caminhei por longas quadras, imaginando como seriam as reações dos colegas e da professora.
Alguns amigos, ficaram assustados, outros acharam graça, algumas meninas me acharam lindinho e, minha professora me colocou nas primeiras carteiras para eu poder enxergar melhor.
Só depois tive oportunidade para explicar para ela que os óculos não tinham grau e eu enxergava muito bem.

Os tempos foram passando e eu fui aprendendo a conviver e respeitar quem usava óculos, até porque, dois de meus irmãos usaram desde pequenos, óculos com as mais variadas armações.
Sempre vangloriei minha excelente visão, enxergava de loooonge as coisas e de perto as menores letras.
Assim, prossegui, lendo de tudo com o maior prazer!

Depois de adulto, passei a abusar dos meus olhos, lendo em cantos escuros ou então em frente a monitores de computadores.
Mesmo assim, minha visão continuava excepcional.
Háaaa! Como era reconfortante ouvir o médico oftalmologista dizer depois dos exames que eu não precisava de óculos!

Agora aos 42 anos, depois de longa procura por um software, para o meu smartphone, que me permitisse ler todos os livros que eu havia colecionado ao longo dos últimos anos, percebi que não conseguia usar o software com prazer.
Não pela letra do texto em sí, já que esta podia ser redimensionada, mas, por não conseguir ler as frases dos comandos e instruções do programa.

Acabei me rendendo ao uso de óculos. Após constatar com alegria extrema, que o simples uso de lentes me permitiam ver o que há tempos não via.
A sensação de alívio instantâneo que senti no momento em que o oftalmologista colocou o par ideal de lentes foi indescritível!
Me senti uma criança, feliz com um brinquedo novo, e lembrei das crianças que sorriam ao começar a usar o seus primeiros óculos, que ganharam na época que eu estava no Rotary e fizemos uma campanha para doação de óculos para crianças carentes!

No meu caso, que adoro ler, voltar a ter prazer na leitura vale qualquer sacrifício. Até o de ter que carregar uma caixinha com óculos para onde quer que eu vá.
Então, mais do que depressa, procurei comprar os óculos receitado.
Comprei o mais barato que tinha na ótica, mas, ainda continuo achando-o caro.
Ainda estou me adaptando ao uso.