5 de abr de 2011

Promoção - Boas Notícias - Estadão



Alguém no jornal "O Estadão", teve uma excelente ideia
1) Que tal usarmos o cadastro do site Curriculum para promover assinaturas do jornal?
Afinal quem está procurando emprego, pode estar apertado financeiramente e nem vai ler direito a mensagem só vai procurar a palavra GRÁTIS no meio dela.

Então vamos mandar um e-mail, via Curriculum, dizendo que:



"Apenas algumas residências foram habilitadas a receber uma incrível promoção do Estadão."

"Somente através do seu CEP é possível verificar se o seu endereço está habilitado a receber a promoção. Após essa verificação e com a confirmação da reserva de seu presente o caminhão do Estadão terá autorização para passar todos os dias na sua casa.
Alguns CEPs já estão sendo validados e as quantidades são limitadas. Portanto, corra! Clique no campo de validação de CEP abaixo para verificar se a sua residência é uma das habilitadas!  "
 Ao clicar no "botão" de "VALIDAÇÃO DO CEP" a vítima é direcionada para um website promocional http://www.concorrendo.com.br.




Na primeira tela apresentada, podemos notar A expressão "GRÁTIS" escrita em caixa alta e grifada em vermelho.
Uma leitura desatenta induz a vítima a prosseguir preenchendo o CEP, os dados (Nome, sobrenome e e-mail) e clicar no "botão" "Confirmar acesso à promoção" em vermelho no canto inferior direito.




A segunda tela, já apresenta o produto que a vítima está adquirindo, mas ainda omite a expressão assinar.
Esta tela é usada na defesa da empresa, alegando que a vítima sabia o que estava assinando (comprando).


Ao clicar no botão vermelho que diz "Reservar até 4 meses GRÁTIS" a vítima vai para uma terceira tela.


O objetivo destas sequencias de tela é distrair a vítima, fazer ela cansar de clicar e ler, passando a apenas clicar e preencher rapidamente para não perder o "prêmio"

Chegando nesta tela o olhar da vítima é desviado para a animação do caminhão, cruzando a tela da direita para a esquerda, onde o caminhão estaciona, para que a vítima concentre seu olhar neste canto onde expressões como "Reserve até 4 meses grátis" e uma ordem de mover o jornal de cima para baixo, com um alerta de que a vítima deve correr, para aproveitar a promoção, levam a vítima a interagir com a animação.





Com a movimentação da animação (Saída do caminhão e entrada de uma imagem no rodapé parabenizando a vítima, o olhar deste é concentrado nesta região.
Extasiado com a sua sorte (poxa! São 4 meses GRÀTIS de jornal, diário!) a vítima procura um botão para apertar, como reação automática, já que a tela parabeniza mas não finaliza.
Eis que o olhar encontra no canto inferior direito a mensagem

"Quero aproveitar esta promoção", dentro de um ícone de jornais.
Um clique neste ícone é inevitável! Quem é que depois de passar por 1 e-mail + 4 telas que repetem que o prêmio é seu, vai dizer que não quer participar?


OBS.: Note que no canto superior direito das duas últimas telas, aparece a expressão "Assine por 12 e receba 16 meses", também está grifada em vermelho, porém, graças a artimanha da animação, não será lida ou assimilada pela vítima.

Finalmente, a 5 tela a vítima é apresentada a realidade da assinatura do jornal! 


 É neste momento que muitos alegam que se o cliente não quer ele para e não assina.
E se ele assinou o jornal é porque decidiu por espontânea vontade.
Ok! Isso é verdade! 
Como é verdade que um animalzinho, depois de beliscar as iscas espalhadas pelo caminho, pode decidir não entrar na arapuca...
Também é verdade que mesmo quando a presa entra na arapuca, quando o caçador puxa a corda da estaca, a arapuca pode não prender a presa.


De qualquer modo, não importa o argumento usado na defesa de uma artimanha dessa...


Isso será sempre uma arapuca, por mais refinada que seja a isca.

Dica: Algum advogado de plantão vai perceber que:
DESCONTO não é igual a GRÁTIS, portanto, mesmo com o desconto apresentado no final, o cliente continua com o direito a + 4 meses de assinatura Grátis.